Da qualidade da piscina, depende a saúde e a segurança dos seus utilizadores. É, por esse motivo, importante a regularidade e correção do tratamento químico da água.

Um dos critérios a ter em conta para a otimização do estado da água é a sua dureza. Ou seja, a quantidade de sais de cálcio e de magnésio presentes nesta substância, expressos em ppm (parte por milhão) de carbonato de cálcio.

É importante manter esta propriedade equilibrada, porque acima dos 400 ppm (excesso de calcário) a água, além de se tornar turva e com incrustações, pode provocar entupimento em filtros, tubagem e fontes de calor, como caldeiras e aquecedores.

Para neutralizar o efeito do calcário, há produtos específicos para o efeito, mais conhecidos como anti-calcário.

Porém, se os valores descerem abaixo dos 100 ppm, a água torna-se mais ácida, logo mais corrosiva. Uma propriedade que acelera o processo de desgaste dos rejuntes da piscina.

No fundo, o que aconselhamos (e para evitar maior despesas a médio e longo prazo) é analisar regularmente analisar os níveis de ppm do carbonato de cálcio e seguir as indicações dadas pelos nossos especialistas. Tudo para que desfrute da melhor forma a sua piscina.

Em caso de dúvida, basta contactar-nos que teremos o maior prazer em ajudá-lo.

Facebook
Facebook
YOUTUBE